Coração agradecido pela grande manifestação de fé e devoção à Nossa Senhora do Rocio, Padroeira do Paraná, pelas ruas de Paranaguá na 208° Festa do Rocio.

A imagem de Nossa Senhora do Rocio foi encontrada por pescadores, na baía de Paranaguá, por volta de 1648. A devoção à Virgem se iniciou, praticamente, junto com a cidade, que foi declarada como vila no mesmo ano.

A fé parnanguara em Nossa Senhora do Rocio aumentou após a década de 1680, quando a pequena vila foi assolada pela Peste da Bicha e, assim, a Santa foi invocada para que livrasse o povo daquele mal. Felizmente, a doença foi superada e foi atribuído à Mãe do Rocio este milagre.

Daí por diante, vários registros de milagres aconteceram. É o caso, por exemplo, de diversas curas individuais e coletivas, como a peste bubônica, em 1901, e a gripe espanhola, em 1918.

Além disso, existem relatos de milagres de Nossa Senhora do Rocio em favor dos marinheiros, protegendo-os de tempestades e outras tragédias marítimas, como é o caso do navio “Raul Soares”, em 26 de junho de 1931; do navio “Philadélphia”, em julho de 1931 e do navio “Maria M”, no dia 08 de agosto de 1932.

Por causa dos inúmeros milagres e graças alcançadas pela intercessão da Mãe do Rocio, a devoção a ela ficou conhecida em todo o território paranaense e multidões saíam de inúmeros lugares em romarias rumo ao Santuário de Nossa Senhora do Rocio. Dessa forma, em 1977 o próprio Papa Paulo VI declarou Nossa Senhora do Rocio como a padroeira do Paraná.

https://santuariodorocio.com/noticias-nacionais/e-tempo-de-fazer-o-trabalho-inverso-levar-nossa-senhora-do-rocio-ao-encontro-dos-fieis-diz-reitor-do-santuario-do-rocio?fbclid=IwAR23j0YxXGDZSjf47Ywo5WFs3ZuB6yQRmvFYPvJ0RKFyMjo4OV-igNm9AC0